02/06/2012

Um paraíso particular chamado Candeias

“Depois da curva do S, Dani, não tem erro.” E de fato não teve. A série Lá onde eu moro deste domingo saiu do Recife e aportou em Jaboatão dos Guararapes, mais precisamente em Candeias. É assim, antes ou depois da curva, duas ruas após ou cinco sinais para frente, que os moradores de lá explicam como se chega, em que parte moram ou qual o melhor trecho para dar um mergulho no mar.

E foi seguindo as referências que chegamos até Nando Cordel. Morando no bairro há mais de 15 anos, o cantor diz que Candeias, mais que fonte de inspiração, é um porto seguro. É para lá que ele volta depois das turnês e, jura, não quer sair. “Estou de volta pro meu aconchego, trazendo na mala bastante saudade...”, poetisa.


Antigo morador do Cabo de Santo Agostinho, quando decidiu se mudar, Nando queria um lugar que fosse perto do Recife, mas que ao mesmo tempo não ficasse tão longe da família, que continuava em terras cabenses. Encontrou Candeias no meio do caminho. Quando chegou na vizinhança, conta, o bairro oferecia pouca infraestrutura. Não havia muitos prédios e estabelecimentos comerciais. Cenário completamente diferente dos dias atuais, onde de banco à supermercado, tudo tem pelas redondezas.


Nando Cordel

Não se pode negar que o atual boom econômico do Estado ajudou a acelerar o ritmo do lugar. Como diz Nando, “saiu da valsa direto para o samba”. O desenvolvimento do Complexo de Suape, no Litoral Sul, vem contribuindo e muito para as mudanças na geografia do bairro. As casas estão sendo substituídas por prédios cada vez mais altos. Tudo para dar conta do crescente fluxo de trabalhadores que enxergam nas terras pernambucanas boas oportunidades de emprego.

A chegada de tanta gente de fora já se reflete nos índices populacionais. Hoje, são mais de 65 mil pessoas espalhadas pelos 9,8 quilômetros quadrados que abrigam Candeias. O que se vê é uma especulação imobiliária sem precedentes e uma verticalização até pouco tempo atrás impensável.          
                                                                         
“Passo muito tempo viajando e quando volto é bem marcante a diferença. É o trânsito que começa a ficar mais complicado, a quantidade de gente circulando pela rua que aumenta. O dia a dia vai se ajustando aos novos sotaques que aqui chegam”, explica o cantor.

Para onde quer que se olhe Candeias é só transformação. Cartão-postal do bairro, a orla também vem sofrendo intervenções. Ao longo dos anos, por causa do avanço das águas, a faixa de praia está diminuindo. Em muitos pontos só é possível passar quando a maré está baixa. Algumas áreas precisaram de diques de pedra para tentar conter a força do oceano.
            
Ainda bem que para Nando o mar serve mesmo é de inspiração. Foi olhando para o marzão sem fim de Candeias que ele compôs algumas canções, entre elas Coisa linda e É só você querer. “Os amigos que vêm aqui sempre brincam, dizem que com uma vista dessa qualquer um faz música.”
Praia de Candeias

Embora não seja muito de sair, o músico não abre mão de uma caminhada no calçadão de Candeias. E se a data é especial, de uma visita ao restaurante Bodega e Pizza, na Bernardo Vieira de Melo, ou ao Portal Chinês, que fica na mesma avenida.       
                                                  
Engana-se, porém, quem pensa que Candeias é só calmaria. Além da cervejinha e do caranguejo na praia, pergunte a qualquer morador o que fazer no bairro e eles prontamente lhe apresentam uma lista. Logo depois da curva do S, o Beto’s bar é ponto de encontro para paquerar e petiscar ao som de música ao vivo. O Du Maranhão tem um pagodinho esperto aos sábados. Quem vem da balada e quer fazer uma boquinha, a dica é o Fome Zero, na Av. Presidente Castelo Branco.    
                                 


Comida regional e a cerveja mais gelada de Candeias? Anota aí, é no bar do Samuel, na Rua José Nunes da Cunha. Lá, o sarapatel e o arrumadinho são de deixar até crítico gastronômico com água na boca. Para os que preferem churrasco de primeira, o Recanto Gaúcho, na Ulisses Montarroyos, é uma boa opção.

Restaurante frequentando pelo artista: o Portal Chinês

E para os que ainda insistem em brincar dizendo que o bairro é o fim do mundo, bobagem. Segundo Nando, Candeias é mesmo o começo do paraíso.
(Por Dani Freire- NE10)